Comer sien pagar

Comer sem pagar

   Era ua beç dous homes que benien por un camino alantre.  Yá habien andado un die anteiro sien comer.  Apuis de tanto andar, era pula tardesquita, ne berano, i inda fazie muita calma.  Chigórun a un lhugar chenos de fame i de sede tamien, i antrórun nua taberna eili a la antrada daquel lhugar.  Nun traien denheiro nien un nien outro, mas cumo tenien tanta fame, mandórun benir ua posta i ponírun-se a comê-la i mandórun benir para cada un sou quartilho de bino i iban bubendo uas pingas.
Apuis que comírun i bubírun, yá quedórun bien caliêntes, mas cumo nu tenien denheiro, nun sabien cumo se habien de scapar sien pagar.
Era no berano.  I bai un, fizo que le habie mordido ua mosca no cachaço i botou-se a fugir pa la rue a toda la priêssa i l outro tamien.
Apuis que se apanhórun na rue, botórun-se a fugir pul camino alantre.  Quando yá iban algo longe de la taberna, la tabarneira saliu a la rue toda assustada, porque bie que ls homes se habien scapado sien pagar.
I anton ampeçou-le a bozear:
Eh!... Ah tius de la mosca!... Ah tius de la mosca!... Moscai para cá!...I ls homes cada beç fugien mais...
— Ah tius de la mosca!... Ah tius de la mosca!   Moscai para cá!...
I ls homes arrespundírun-le:
—  Si... mas se la mosca ben dalhá!...

   Era uma vez dois homens que vinham por um caminho adiante. Já tinham andado o dia inteiro sem comer.  Depois de tanto andar, era pela tarde, no verão, estava um dia calmo. Chegaram a um lugar cheios de fome e também de sede, e entraram numa taberna ali na entrada do lugar. Não traziam dinheiro nem um nem o outro, mas como tinham tanta fome, mandaram vir uma posta (posta de carne Mirandesa) e puseram-se a come-la e mandaram vir para cada um quartilho de vinho e iam bebendo umas pingas.
Depois de comerem e beberem, já estavam bem quentes, mas como não tinham dinheiro, não sabiam como se haviam de escapar sem pagar.
Era no Verão. E vai um fez como se uma mosca lhe tivesse mordido no pescoço e deitou-se a correr para a rua com toda a pressa e o outro também.
Depois de se apanharem na rua, puseram-se a fugir pelo caminho. Quando já iam longe da taberna, a taberneira saiu a rua  toda assustada, porque viu que os homens tinham escapado sem pagar.
E então começou a gritar:
Eh!... Ah tios da mosca!... Ah tios da mosca!... fugi da mosca para cá!... E os homens cada vez fugiam mais...
-          Ah tios da mosca!... Ah tios da mosca!... fugi da mosca para cá!...
E os homens responderam-lhe:
- Sim... mas a mosca vem daí!...

yousoumirandes@gmail.com 2004 © Site: Autoria Raúl Silva
colaboração de Teresa Ferreira
e Rita Segundo