La muorte de l burrico

A morte do burrinho

   Nua tarde soalheira de Outunho, l tiu Barnabé caminaba atrás de sue buiada quando s’ancuntrou cun tiu Antonho Zé, un home de ls más probes de l llhugar i saluda-lo.
- Dius mos dé buonas tardes!
- Buonas tardes mos dé Dius, respundiu l tiu Antonho Zé, mi zacaçuado de la bida.
- Anton que cara ye essa, passa-se algua cousa?, preguntou l tiu Barnabé, cun ar todo cusquebelheiro.
- A bós nin bos passa pula eideia, l que ye la bida dun probe home!
- Oh home, dezi alhá l que bos atrometa?...
- Quiero cumprar un burrico, mas adespuis nun bou a tener que le dar a quemer!
- Pus cumprai-lo i apuis ansinais-lo a nun quemer. S’aguantar nuobe dies sin quemer, yá nun se muorre.
L tiu Antonho Zé assi fizo, cumprou l burrico i todos ls dies l’iba a besitar i parecie-le star bien listo. L quinto die, antrou na loija i ancuntrou l burrico muorto. Mui zanimado, fui-se lhougo a tener cul tiu Barnabé i dixo-le:
- Stais a ber la mie pouca suorte, ua çgrácia nunca ben sola!... L burrico yá se me morriu!
- Nun zanimeis, teneis que tocar la bida pa la frente i se lo soubirdes aporbeitar bien, nun perdeis todo.
- Cumo assi?
- Pus, oubi bien l que bus bou a dezir:
- De la cabeça fazei ua adega;
- De las oureilhas uas suolas;
- De ls narizes uns furmarizes;
- De ls dientes uns pientes;
- De las costielhas un biendo;
- De l spinaço un serrote;
- De las patas uas baquetas;
- De l culo un subiote;
- De la piel un cobertor;
- De l rabo un batedor.

   Numa tarde soalheira de Outono, o tio Barnabé caminhava atrás da seu gado quando se encontrou com o tio António Zé, um homem dos mais pobres do lugar e saúda-o.
- Deus nos dê boas tardes!
- Boas tardes nos dê Deus, respondeu o tio António Zé, aborrecido com a vida.
- Então que cara é essa, passa-se alguma coisa?, Perguntou o tio Barnabé, com um ar todo coscuvilheiro.
- A vós nem vos passa pela ideia, o que é a vida dum pobre homem!
- Oh homem, dizei lá o que vos atormenta?...
- Quero comprar um Burrinho, mas depois não vou ter que lhe dar de comer!
- Pois comprai-o e depois ensinai-o a não comer. Se aguentar nove dias sem comer, já não morre.
O tio António Zé assim fez, comprou o burrinho e todos os dias o ia visitar e parecia-lhe que estava bem listo. No quinto dia, entrou na loja e encontrou o burrinho morto. Muito desanimado, foi-se logo a ter com o tio Barnabé e disse-lhe:
- Estais a ver a minha pouca sorte, uma desgraça nunca vem só!...
O burrinho já se me morreu!
- Não desanimeis, tendes de tocar a vida para a frente e se o souberdes aproveitar bem, não perdeis tudo.
- Como assim?
- Pois, ouvi bem o que vos vou dizer:
- Da cabeça fazeis uma adega;
- Das orelhas umas solas;
- Dos narizes uns xxx:
- Dos dentes uns pentes;
- Das costelas uma forquilha;
- Do espinhaço um serrote;
- Das patas umas baquetas;
- Do cu um assobio;
- Da pele um cobertor;
- Do rabo um batedor.

yousoumirandes@gmail.com 2004 © Site: Autoria Raúl Silva
colaboração de Teresa Ferreira
e Rita Segundo