L cabreiro i la missa

O cabreiro e a missa

   Era ua beç ua tie que era cabreira i tenie un filho.
L  filho, deç que nasciu, habie andado siempre pulas arribas i nunca habie ido al lhugar.  Cumo nunca habie ido al lhugar, nunca habie ido a missa.
Quando yá era algo grande, ende cun nuôbe o dieç anhos, diç-le a la mai:
-  Mira, Julian, mañana bas a misa!...
- Madre!...está bien, mañana voy a misa!... arresponde al rapaç: mas adonde es la misa?
- Pues, diç-le la mai.
- An una casa para onde bires entrar mucha gente, para alhi entras tu tamien.
-  Está bien! Mañana voy a misa.  Está bien mañana voy a misa.
-  A soutro die, pula manhana, Julian alhebantou-se, lhabou-se mui lhabado, purparou-se mui purparado i bestiu-se mui bestido, cula roupa nuôba, para ir a missa, i alhá se fui pa l lhugar, a missa.
Quando chegou al lhugar, biu star a antrar muita giente para ua casa i l rapaç, cumo la mai le habie dito que la missa era para onde bisse antrar gente, antrou tamien.
Era l acumpanhamento dun casamento.
Toda la giente se sentou a la mesa, i el tamien se sentou.  Un nun sabie se l  rapaç serie de la família del nóbio, outros se serie de la família de la nóbia, el que yê ciêrto yê que naide le dixo nada.
I l rapaç comiu i bubiu, i no fin saliu cumo ls outros i naide le  dixo nada.
A la tarde bino-se anton pa las cabras i la mai stranhou que houbiêsse tardado tanto i preguntou-le:
-  Pero, que has tardado mucho!  Como te has arreglado en la misa?
-  Ui, madre, muy bien!  arresponde l rapaç.  Mañana vuelvo!
Soutro die, alhebantou-se tamien i purparou-se mui purparado i alhá se fui pa la missa.
Quando chigou al lhugar, biu  ir toda la giente pala eigreija i el fui tamien.  Mas quando antrou, biu que toda la giente molhaba la mano na pila de la auga benta.
Stubo na missa até al fin, até que salírun.
Al salir, toda la giente fazie cumo quando antraba, i l cabreiro, cumo nu comie nada, cumo l die atrás, i nun bie a naide comer nada, asperou pal fin i apuis que toda la giente saliu, saliu el no fin i metiu la mano i l braço todo na pila de la auga benta i dou alhá quatro buôltas a ber se  achaba algo.
Cumo nun achou nada, tornou-se pa las arribas, mui triste, i mais cedo que no die atrás.
Quando chigou al pie de la mai, siempre la mai le preguntou como se habie arranjado.
I el arrespondiu lhougo:
-  Madre, yá solo staba alhá l caldo!...

   Era uma vez uma tia que era cabreira e tinha um filho.
O filho, desde que nasceu, andava sempre pelas arribas e nunca tinha ido a lugar algum, nunca tinha ido a missa.
Quando já era um pouco grande, ai pelos nove ou dez anos, disse a mãe:
- Olha, Júlio, amanha vais a missa!...
- Mãe!... está bem, amanha vou a missa!... respondeu o rapaz: mas onde é a missa?
- Pois, disse a mãe.
- Numa casa onde vires entrar muita gente, para lá entras tu também.
- Está bem! Amanha vou a missa. Está bem amanha vou a missa.
- No dia dia seguinte, pela manha, Júlio levantou-se, lavou-se muito bem lavada, preparou-se bem preparado e vestiu-se muito bem vestido, com roupa nova, para ir a missa, e lá se foi para o lugar, a missa.
Quando chegou ao lugar, viu muita gente entrar para uma casa e o rapaz, como a mãe lhe havia dito que a missa era para onde visse entrar gente, também entrou.
Era o acompanhamento de um casamento.
Toda a gente se sentou a mesa, e ele também se sentou. Uns não sabiam se o rapaz seria da família do noivo, outros se seria da família da noiva, o que é certo é que ninguém disse nada.
E o rapaz comeu e bebeu, e no fim saiu como os outros e ninguém lhe disse nada.
Há tarde veio então para as cabras e a mãe estranhou que tivesse demorado tanto e perguntou-lhe:
- Demoraste muito! Como é que te arranjas-te ma missa?
- Ui mãe, muito bem! Responde o rapaz. Amanha volto!
No dia seguinte, levantou-se e preparou-se bem preparado e lá se foi ele para a missa.
Quando chegou ao lugar, viu ir toda a gente para a Igreja e ele foi também. Mas quando entrou, viu que toda a gente molhava a mão na pia da água benta.
Esteve na missa até ao fim, até que saíram.
Ao sair, toda a gente fazia como quando entraram, e o cabreiro, como não tinha comido nada, como no dia anterior, e não viu ninguém comer nada, esperou até ao fim e depois de toda a gente sair, saiu ele no fim e meteu a mão e o braço todo na pia da água benta e deu lá quatro voltas a ver se achava alguma coisa.
Como não achou nada, voltou para as arribas, muito triste, e mais cedo do que no dia anterior.
Quando chegou junto da mãe, a mãe perguntou-lhe como se tinha arranjado.
E ele respondeu logo:
- Mãe, já só estava lá a sopa!...

yousoumirandes@gmail.com 2004 © Site: Autoria Raúl Silva
colaboração de Teresa Ferreira
e Rita Segundo