L moucho i la águila

O mocho e a águia

   Era ua beç ua moucha que tenie uns mouchicos mui feios, mui feios, no niu, nun buraco dua faia.
Tenien pêlo malo que parecien ratos, tenien ls uôlhos mui feios cumo ls uôlhos de mocho, las alas sien prumas... éran todos çfarrapados.
Bai un die, biu benir ua águila pur aquel sítio i pousou eili nun picon, onde la moucha tenie l niu.
I bai la moucha fui-se para an pie de la águila i diç-le assi:
—  Ah águila, mira bou-te a pedir un fabor!
—  Pus tu dirás!  Arrespondiu la águila.
—  Se un die achares no niu uns páixaricos pequeninos, mui lindos cun ls biquitos mui bien feitos, i las prumas mui relhamposas, i ls uôlhicos mui listos, i las cabecicas mui redondicas, nun ls comas, nó!  Yê que son mius filhos!   Dixo la moucha.
Pus stá bien, arresponde la águila.
Soutordie, staba la águila no mesmo picon i sentiu piar uns páixaricos eili naqueilha fraga, nun buraco.
La águila achigou-se al buraco onde piában ls páixaros i bei anton cinco páixarotes mui feios, mal feitos, cula la cabeça quadrada, ls uôlhos arregalados, las alas znudas i cun pêlo de rato no lhombo.  I diç assi:
Ui!... que páixarotes tan feios eiqui stan, bou a comê-los!
I papou-los todos.  De cada bicada, papaba sou.  Nun instante ls papou!
Deili a un rato, ben-te la moucha cun un lhagartico no bico de çubiaco pal dar a comer als sous mouchicos.  Bai-se al niu a saber de ls filhos i... achou l sítio... Yá alhá nun stában.
Atirou cun l çubiaco la fraga abaixo i bai-se a a tener cun la águila chorando:
- Ah comadre papona, anton dixe-bos que se algua beç achássedes un niu cun uns páixaricos mui lindos, culs biquitos mui bien feitos, las prumas mui relhamposas, ls uôlhicos mui listos i las cabecicas mui redondicas, que nunca ls comírades, i agora bou a ber i comistes-me-los!...  Éran mius filhos!...
- Nó, moucha, isso nun yê assi cumo tu dizes!...  Arrespondiu la águila.  You achei un niu cun uns páixarotes mui feios, mui feios: tenien la cabeça quadrada, ls uôlhos arregalados, i las alas znudas, ls bicos tuôrtos i ls lhombos cubiertos cun pêlo de rato, i esses si ls comi.
Se éran esses ls tous filhos, houbiras-me lhougo dito la berdade!...

   Era uma vez um fêmea de mocho que tinha os filhos muitos feios, muito feios, no ninho, num buraco de uma faia.
Tinham pelo feio até pareciam ratos, tinham uns olhos muito feios como os olhos de mocho, as asas sem penas... estavam todos esfarrapados.
Certo dia, viu vir uma águia para aquele sitio e pousou ali num picão, onde a fêmea de mocho tinha o ninho.
Então a fêmea do mocho foi para junto da águia e disse-lhe assim:
- Ah águia, olha vou-te pedir um favor!
- Diz lá! Respondeu a águia.
Se um dia encontrares um ninho uns passarinhos pequeninos, muito lindos com os biquinhos muito bem feitos, e as penas muito brilhantes, e os olhinhos muito abertos, e com cabecinhas muito redondinhas, não os comas, não! É que são meus filhos! Disse a fêmea do mocho.
Pois está bem respondeu a Águia.
Certo dia, estava a águia no mesmo picão e sentiu piar uns passarinhos ali naquela fraga, num buraco.
A águia aproximou-se do buraco onde piavam os pássaros e vé então cinco passarinhos muito feios, mal feitos, com a cabeça quadrada, os olhos arregalados, as asas nuas e com pelo de rato no lombo. E disse assim:
Ui!... que passarinhos tão feios que aqui estão, vou come-los!
E comeu-os todos. A cada bicada comia seu. Num instante os comeu!
Dali a um bocadinho, vem a fêmea do mocho com um pequeno lagarto no bico para dar de comer aos seus filhotes. Vai ao ninho procurar os seus filhos e ... encontrou o sitio... já lá não estavam.
Atirou com o alimento que transportava no bico fraga abaixo e vai chorando ter com a águia:
- Ah comadre comilona, então eu disse-vos que se alguma vez encontrasses um ninho com uns passarinhos muito lindos, com os biquinhos muito bem feitos, as penas muito brilhantes, os olhinhos muito arregalados e as cabecinhas muito redondinhas, que nunca os comerias, e agora vou ver e comeste-mos!... Eram meus filhos!...
- Não, fêmea de mocho, isso não é assim como tu dizes!... Respondeu a águia. Eu achei um ninho com uns pássaros muito feios, muito feios: tinham a cabeça quadrada, os olhos arregalados, as asas nuas, os bicos tortos e os lombos com pelo de rato, e esses sim que os comi.
Se eram esses os teus filhos, deverias ter-me dito logo a verdade!...

yousoumirandes@gmail.com 2004 © Site: Autoria Raúl Silva
colaboração de Teresa Ferreira
e Rita Segundo