L Lhobo arrependido

O lobo arrependido

Ua beç un lhobo fui-se a cunfessar.  I teníê muito pecado, muito pecado!... Pus yá habie comido mais de milenta canhonas i cordeiros.
Adespuis l cura renhiu-lo muito por haber feito tanta muôrte.
I bai anton dou-le por penitência que solo podie comer arrate i meio de chicha por die.
Anton l lhobo fui-se mui triste, nun sabendo cumo habie de ser deili para lantre.  Solo arrate i meio de chicha por die!...
Fui-se andando puls caminos, andando, mui triste i bie ls ganados guardados puls pastores i cun muito perro que le  lhadrában i corrien atrás del.  Tenien uns cordeiricos mui lindos, solo de dous meses, mui gordicos i dezie assi: «Si! Si!...Cada un solo fai dues onças, nun bale la pena, pus you querie que tubisse cuônta ciêrta!...
Apuis de muito andar, yá lhebába muita fame;  yá se le apegában las tripas a las costiêlhas i yá nun podie mais.
Ancontrou-se nun cerrado, onde andaba ua burra a pacer, cun un burrico de três semanas:
-  Anton l lhobo puso-se a beilar mui cuntento i a dezir assi pa la burra: «Olha!  burrica!... Bou-te a comer!... Agora si bou a cumprir bien la penitência, cumo me mandou l cura:  Yê mesmo justo, justico:  Un arrate a la burra, i meio al burrico!...»
I comiu-los.

Uma vez um lobo foi-se confessar. Tinha muitos pecados, muitos pecados!... Pois já tinha comido mais de mil ovelhas e cordeiros.
O padre ralhou-lhe muito por ter feito tantas mortes.
E então deu-lhe por penitência que só podia comer
????? e meio de carne por dia.
Então o lobo foi-se muito triste, sem saber o que havia de ser dele daí para a frente. Só
??? e meio de carne por dia!...
Foi-se andando pelos caminhos, andando muito triste e via os rebanhos guardados pelos pastores e com muitos cães que lhe ladravam e corriam atrás dele.
Tinhas uns cordeirinhos muito lindos, com dois meses, muito gordinhos e dizia assim: «Sim! Sim!...Cada um só faz duas onças, não vale a pena, pois eu queria que fizessem conta certa!...
Depois de muito andar, já levava muita fome; já se lhe pegavam as tripas ás costelas e já não podia mais.
Encontrou num curral, onde andava uma burra a pastar, com um burrico de três semanas:
- Então o lobo pôs-se a dançar muito contente e a dizer assim para a burra: «Olha!  burrica!... vou-te  comer!... Agora sim vou cumprir bem a penitência, como me mandou o padre:  É mesmo justo, justinho:  Um
???? a burra, e meio o burrico!...»
E comeu-os.

yousoumirandes@gmail.com 2004 © Site: Autoria Raúl Silva
colaboração de Teresa Ferreira
e Rita Segundo