Castelo

 

Deste castelo medieval (de granito, xisto, material de enchimento e argamassa), de cariz militar, do séc. XIII, reedificado no séc. XVII, restam ainda extensos panos de muralha a rodear o núcleo antigo da cidade, depois de em 1760 ter sido parcialmente destruído pela explosão do paiol de pólvora. 

O castelo propriamente dito formava um quadrilátero, reforçado nos três ângulos externos por três cubelos, dois deles rectangulares e um hexagonal. 

A cerca teria um perímetro total de cerca de seiscentos passos e tinha três portas de arco ligeiramente quebrado: A Porta da Senhora do Amparo, situada ao fundo da rua da Costanilha, a Porta Falsa, junto à zona do castelo e, do lado nascente, o Postigo, sobre a margem alcantilada do rio Douro. A zona das ameias foi recuperada em tempo recente apresentando aparelho incertum. A cidade mostra traçado octogonal tendo como eixo o Largo de D. João III, Rua da Costanilha e atravessada pela Rua do Abade de Baçal.

No canto sul situa-se a Sé de Miranda e os Paços Episcopais. No lado oposto, a cerca de 682 m de altitude, localiza-se a Torre de Menagem.